quarta-feira, 3 de junho de 2009

Fernando Guimarães

METAMORFOSE

Ao longe viste os ramos do que somos
tocados pelo vento. Os mesmos lábios
disseram o que em ti se espalha como
a areia, estas dunas, o prenúncio

da substância extrema que se amolda
a tudo. E unidos ficam por mais tempo
até que sejam a dispersa forma
de se perderem num mais firme gesto

que dissipe as sementes junto aos sulcos
há muito entreabertos para serem
o lugar do repouso. Este era o sábito

vislumbre das suspeitas que nos trazem
o impulso com que possas receber
apenas outro dom, a identidade.

Fernando Guimarães
Lições de Trevas
edições quasi

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial