quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

António Aragão

POEMA

ah o amável preço da minha fotografia no teu
retrato:
aquele calor da telefonia nascendo no
instante sem ocasião. e o regresso à história
do repouso dos aparelhos ou à demora
apenas
de comprar a cadeira depois de ter dito
aquela palavra no campo
onde crescem mais exactamente os frigoríficos.

quem sabe afinal quando o coração apodrece?

talvez mais exactamente ando o peso
dos passos no nome do rosto.
ou toco docemente
a gasolina no ritual da tua imagem.

olha: este é o interior mais exactamente
da escada no cimo do meu susto.
eis o estilo espantoso de pensar uma espingarda
no lado nu do teu corpo que não escrevo.

quem sabe afinal quando o coração não apodrece?


nós apenas dizemos o cartaz na paragem de deus
e o resto é mais a nosssa dificuldade no
retrato enquanto um anjo digo-te
passeia mais exactamente no pêlo do navio.


ANTÓNIO ARAGÃO
(in "Mais Exactamente P(r)o(bl)emas", 1968;
«Poesia da Ilha», Olhares Atlânticos,
Biblioteca Nacional, organização e Direcção
de José António Gonçalves, Lisboa, 1991)

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial