quarta-feira, 3 de junho de 2009

Arménio Vieira


Cidade da Praia, 03 Jun (Lusa) -- O escritor e poeta cabo-verdiano Arménio Vieira, galardoado terça-feira com o Prémio Camões/2009, admitiu hoje ser um autor "pouco lido", mostrou-se surpreendido com a distinção e afirmou que, com o dinheiro que vai receber, "talvez compre uma bicicleta".

Numa entrevista à Agência Lusa, em que se mostrou ainda pouco à vontade em lidar com o sucesso, afirmou que até nem sabe como o júri lhe atribuiu o prémio, já que, no Brasil, disse, é "quase desconhecido".

"Eu sou pouco lido. Em Cabo Verde quase nada. Lá fora um pouco mais, mas, no Brasil, sou desconhecido e nem sei como o prémio veio para Cabo Verde, para o Arménio, porque Cabo Verde é maior que o Arménio, claro", explicou.

Sobre o destino que vai dar aos cem mil euros do prémio, Arménio Vieira prefere não revelar, tanto mais que afirmou desconhecer quando será entregue.

"Não quero falar disso, não o tenho ainda. O prémio é entregue daqui a um ano, mas se calhar vou ter pela primeira vez na vida uma bicicleta, porque nunca tive uma bicicleta", brincou, ironizando que o "ovo (dinheiro do prémio) está ainda dentro da galinha".

Arménio Vieira afirmou à Lusa que tem já pronto, e que está quase a sair, um novo livro de poesia, escrito "através de mensagens de telemóvel".

Sem querer revelar muito do novo livro, - "ainda é segredo" -, Arménio Vieira adiantou que a obra terá como título "O Poema, a Viagem e o Sonho" e que foi escrito através de mensagens que enviava a dois amigos em Portugal.

Além disso, um outro projecto do escritor é a reedição das suas obras num só volume.

"Este mesmo amigo é que quer fazer este projecto de juntar tudo numa mesma obra, porque eu sou pouco lido. Acho que nunca traduziram um livro meu para nenhuma língua, nem para o crioulo. Há traduções de um poema ou outro para Inglês e Russo, mas uma obra inteira não", disse.

Arménio Vieira, o primeiro cabo-verdiano a receber o Prémio Camões, nasceu na cidade da Praia, na Ilha de Santiago, Cabo Verde, a 24 de Janeiro de 1941.

Além de escritor, já colaborou em diversas publicações como o Boletim de Cabo Verde, a revista Vértice, de Coimbra, Raízes, Ponto & Vírgula, Fragmentos e Sopinha de Alfabeto e foi re-writer no jornal Voz di Povo.

Arménio Vieira já publicou diversas obras, entre elas "Poemas -- África" (1981), "O Eleito do Sol" (1990), "Poemas" (reedição em 1998), "No Inferno" (1999) e "MITOgrafias", em 2006.

O Prémio Camões, criado em 1988 pelos governos português e brasileiro, distingue todos os anos escritores dos países lusófonos.

Lusa/Fim

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial