quarta-feira, 19 de novembro de 2008

António Franco Alexandre

É nesta casa sem janelas que mora
dulcineia! dulcineia! já antes se mostrara
que, do amor, só conhecemos a ideia;

ficou-me a glória de dizer-lhe o nome, e em verso fosco
desenhar-lhe a figura, a sem figura. Digo,

do mar ausente, a amurada, o parapeito;
dos vastos campos, a amplidão celeste;
da água, o seu rumor nos tornozelos.

fiquei-me gordo e só, na estrebaria imunda,
roendo coisas vãs pelos cabelos,
a arremessar com folhas a gigantes.

E agora vou nascer, num só instante;
ser, de uma ilha, o rei deposto e vivo;
tomar-me, também eu, falso gigante.

ANTÓNIO FRANCO ALEXANDRE (1944)
Poemas
Poemário 2004
Assírio& Alvim

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial