domingo, 18 de setembro de 2011

Carlos Tê

ninguém escreve à alice

era outono e a tristeza
caía naqueles lados
como se dobrassem sinos
com um toque de finados

o mundo chamava alice
e ela sem vontade de ir
tão cedo para estar amarga
mais ainda para cair

talvez uma só palavra
talvez uma só missiva
pudesse mudar a agulha
dum coração à deriva

mas o carteiro passou
nada deixou nada disse
e o recado não chegou
ninguém escreve à alice
ninguém escreve à alice

até que veio o inverno
do seu descontentamento
que lhe enregelou a alma
com um frio mudo e lento

uma noite foi para a rua
com roupas de ritual
ao longe brilhavam néons
foi notícia no jornal

talvez uma só palavra
talvez um simples recado
pudesse mudar a agulha
dum coração desvairado

mas o carteiro passou
nada deixou nada disse
e o recado não chegou
ninguém escreve à alice

carlos tê

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial