domingo, 8 de fevereiro de 2009

Goëthe






A 8 de Fevereiro

Há oito dias que cai sôbre nós um medonho temporal e isto faz-me bem.
Desde que aqui estou, nunca rebrilhou no céu um dia formoso que alguém
mo não inutilizasse ou estragasse. Chove, venta, cai granizo, há degêlo -
eu penso que, em casa, não pode ser pior do que lá fora e vice-versa.
Quando , de manhã, o sol prometia um lindo esplendor, nunca pude dei-
xar de exclamar: «Lá vai esta gente receber uma mercê divina, mercê que
não saberão aproveitar». Nada existe que não destruam reciprocamente:
saúde, bom nome, alegria, descanso. E, na grande maioria, por estupidez,
incompreensão e estreiteza de vistas; quando a gente os ouve, afirmam sem-
pre falar com a melhor das intenções. Por vezes, sinto o desejo de lhes rogar
de joelhos que não remexam, com tanto furor, nos próprios intestinos.


WERTHER
Sua paixão e sofrimento
Goëthe
Tradução de Maria Henriques Osswald
Livraria Civilização Editora

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial