terça-feira, 13 de abril de 2010

ALBERT CAMUS


Os curiosos acontecimentos que servem de assunto a esta
história produziram-se em 194 ... , em Oran. Segundo a opinião geral, não estavam aí no seu devido lugar, antes saíam um pouco do habitual. A primeira vista, Oran é, com efeito, uma cidade vulgar, que não passa de uma prefeitura francesa na costa argelina.
A própria cidade, confessemo-lo, é feia. Com 0 seu aspecto calmo, é preciso algum tempo para se perceber o que a torna diferente de tantas outras cidades comerciais em todas as
latitudes. Como imaginar, por exemplo, uma cidade sem pombas, sem árvores e sem jardins, onde não se sente 0 bater de asas nem o sussurro de folhas, uma cidade neutra, para dizer tudo? Só no céu se lê aí a mudança das estações. A Primavera apenas se anuncia pela qualidade do ar ou pelos cestos de flores trazidos por rapazitos dos arredores; é uma Primavera que se vende nos mercados. Durante 0 Verão, o Sol incendeia as casas demasiado secas e cobre as paredes de uma cinza cinzenta; então, só é possível viver à sombra das persianas corridas. No Outono é, pelo contrário, um dilúvio de lama. Os dias bonitos só vêm no Inverno.
Uma maneira cómoda de travar conhecimento com uma cidade é descobrir como lá se trabalha, como se ama e como se morre. Na nossa pequena cidade, talvez por efeito do clima, tudo se faz ao mesmo tempo, com 0 mesmo ar frenético e distante. Quer dizer que as pessoas se aborrecem e se aplicam a criar hábitos. Os nossos concidadãos trabalham muito, mas só para se enriquecerem. Interessam-se principalmente pelo comércio e ocupam-se, em primeiro lugar, segundo a sua própria expressão, em fazer negócios.

..........................................................................................................

A Peste
Albert Camus
Colecção Miniatura
Edição "Livros do Brasil" Lisboa




PRIMEIRO ACTO

CENA PRIMEIRA

Numa sala do palácio estão agrupados alguns patrícios que denotam agitação. Entre eles destaca-se um muito idoso.


PRIMEIRO PATRÍCIO

Nada.

VELHO PATRÍCIO

Nada de manhã, nada de tarde.

SEGUNDO PATRÍCIO

Três dias passados, e nada.

VELHO PATRÍCIO

Os mensageiros partem, os mensageiros voltam. Sacodem a cabeça e dizem: "Nada".

SEGUNDO PATRÍCIO

Procura-se em toda a parte, não há nada a fazer.

PRIMEIRO PATRÍCIO

Porque nos estamos a inquietar antes de tempo?
Aguardemos. Voltará talvez como partiu.

VELHO PATRÍCIO

Vi-o sair do palacio. Tinha um olhar estranho.

PRIMEIRO PATRÍCIO

Também eu, e perguntei-Ihe o que tinha.

SEGUNDO PATRÍCIO

Respondeu?

PRIMEIRO PATRÍCIO

Uma única palavra: «Nada».

(Pausa. Entra Helicon, comendo uma cebola).

SEGUNDO PATRÍCIO , sempre nervoso.

É inquietante.

PRIMEIRO PATRÍCIO

Ora, todos os rapazes são assim.

VELHO PATRÍCIO

Claro, a idade tudo perdoa.

SEGUNDO PATRÍCIO

Acha?

PRIMEIRO PATRÍCIO

Esperemos que esqueça.

VELHO PATRÍCIO

Evidentemente! Uma perdida, dez encontradas.

HELICON

E quem vos garante que se trata de amor?

PRIMEIRO PATRÍCIO

Que mais poderia ser?

HELICON

Talvez o fígado. Ou apenas o desgosto de vos ver todos os dias.
Suportaríamos muito melhor os nossos contemporâneos se eles de vez em quando mudassem de ventas.
Mas não, a ementa não varia. É sempre o mesmo fricassé.

VELHO PATRÍCIO

Prefiro pensar que se trata de amor. É mais enternecedor.

HELICON

E tranquilizador. Sobretudo tranquilizador. É uma doença do género das que não poupam nem os inteligentes nem os estúpidos.

PRIMEIRO PATRÍCIO

Os desgostos não são eternos, felizmente. Sois capazes de sofrer mais de um ano?

.....................................................


Calígula
seguido de
O Equívoco
Albert Camus
Colecção Miniatura
Edição "Livros do Brasil" Lisboa

Tesouros do alfarrabista

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial