sábado, 11 de junho de 2011

Maria do Sameiro Barroso

ESPÁDUAS DE LUZ

                                       "Eu estava no mundo.
                 e o mundo continuava a ser o mundo
    mas era também um arquipélago de jardins. "
                                       António Ramos Rosa
                                     (De um poema inédito)

Nas ilhas de silêncio e barcos que a água
                     e o sangue misturam,
                     hélices de bruma, redes
                     cobertas de animais marinhos,

ninhos de folhas, ervas que libertam libélulas
                     vermelhas e azuis, jacintos
                     de água. Espáduas de luz.
                     Seixos, cicatrizes.

Larvas que crescem na língua argilosa que
                     percorre as fendas branquiais,
                     os fundos arenosos.
                     A elipse negra dos rostos.

Porque as palavras são um clarão que liberta
                     as feridas,
                     as fímbrias despedaçadas.
                     Como roseiras insólitas

que ferem, possibilitam o corpo
                     de estrelícias / solidão,
                     estátuas negras.
                     Sementes que germinam.

Desprendendo aromas.

                                       Cinza e claridade.


Maria do Sameiro Barroso
Jardins Imperfeitos
Universitária Editora

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial