quinta-feira, 7 de abril de 2011

Fernando Guimarães

 PARA ALGUÉM DESCONHECIDO

O sono há-de tornar mais pesadas as suas palavras. É ali que se
                                                                                      [vêem
as nuvens apagadas, os campos depois de feitas as colheitas, os
simples vestígios de uma praia qualquer porque foi perto dela que
                                                                       [nasceu. Já uma
das mãos se inclina para a água e ao deixar entreabertos os dedos
acaba por sentir a sua frescura próxima, circular. Era este o aceno
que se aguardava como se fosse um mistério. Pode ficar mais
                                                                                   [próximo
o seu rumor. Mas o que ele escuta é diferente. Surpreende agora a
                                                                                       [poeira
que se ergue com o vento e reconhece outras veredas maiores. Está
                                                                                   [desenhado
um rasto de sangue como se fosse uma letra. Que sentido ela pode
                                                                                          [fazer
sozinha, mesmo que a pronuncie? Ah, nenhum. Ignoramos de que
                                                                                        [veias
este sangue chegava, mas ali mostraram-lhe como uma ave
                                                                          [principia
o seu voo quando tudo nos pareceu mais nítido. A volta das flores
descobre um odor que já tinha esquecido. É assim. Ao longo desta
                                                                                         [praia
veio encontrar ainda os barcos, as velas erguidas, a espuma
abandonada pelas ondas, o seu rumor. Poderia referir-se a cada
                                                                                     [ruga
do rosto como se fosse o caminho que só as lágrimas conseguiam
com tranquilidade percorrer. Sem que o tivesse esperado,
                                                                           [aproxima-se
mais o nevoeiro. É o que tantas vezes acontece junto a este mar
desconhecido. Abre de novo uma das mãos para que esteja perto
do vento, para que o sinta finalmente. E também para que ela se
                                                                                      [torne
maior. Sabemos que é assim que precisa desta mão porque já
                                                                         [perdeu tudo.

Fernando Guimarães
REQUIEM
Lições de Trevas
Edições quasi

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial